Obrigação de fazer o bem.

Nunca fui fã de obrigatoriedades. Acho que quando alguém tenta impor algo que você não escolheu, não quis, as coisas sempre tendem a ser feitas na má vontade e os resultados certamente não serão bons. Mas tenho certeza que se o mundo fosse uma grande anarquia, tudo seria bem pior. Tem muito cara folgado no mundo, e eles iriam deitar e rolar. Acho que assim, do jeito que está, talvez seja a forma “menos ruim” para convivermos em sociedade.

Quando a gente faz 18 anos, muita coisa muda na nossa vida. A gente já pode ser preso se fizer alguma cagada, pode dirigir e se acha dono do próprio nariz. Para os homens, existe uma coisa que é deprimente, pelo menos pra mim. Ter que se alistar no exército certamente foi uma das piores experiências na minha vida. Fui dispensado no exame médico (arrumei uma desculpa pra isso) e nem cheguei a entrar no exército. Não é por nada, mas eu nunca gostei dessas coisas de guerra, de treinamentos forçados, correr de shortinho e regata no inverno, rolar no chão e ficar sendo zuado por caras que só tem um ano a mais de vida que você. Grazadeus fui dispensado e até hoje não entendo porque isso é obrigatório. Ninguém me perguntou quando eu nasci se eu queria ou não fazer parte desse “sistema”. Pior é que tem muito cara que está lá e queria servir a pátria e eles dispensam. Vai entender…

Além da merda do exército, tem um monte de coisa que é obrigatório na nossa vida. Eu, como disse, adoro fazer essas obrigatoriedades na má vontade. Mas tem atitudes que deveriam ser obrigatórias. Doar sangue, por exemplo, deveria ser uma obrigação de qualquer ser humano. Todos estão sujeitos à acidentes, doenças ou qualquer outra infelicidade que depende da ajuda de outras pessoas. Nesse caso, a doação de sangue. Por que então não obrigar as pessoas (qualquer uma, independente da cor, opção sexual, classe social e etc…) a doar sangue ao menos uma vez no ano? Não dói, não custa nada, ninguém morre por causa disso e se o sangue do infeliz for de má procedência, joga fora. O que vale é conscientizar as pessoas a fazerem o bem, e certamente daqui há 20, 30 anos isso viraria hábito e ninguém mais reclamaria. Isso vale também para outras atividades, como doação de médula. Posso estar viajando, mas creio que se alguma coisa deve ser obrigatoria, essa “coisa” deveria sempre pra fazer o bem pra alguém.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s